Arquivo para janeiro, 2012

British Museum – acervo de um país colonizador.

Posted in Cultura with tags , , , on 23/01/2012 by Renata Junqueira
Renata Junqueira no British Museum - arte de bem viver

British Museum

Este final de semana fui pela segunda vez no British Museum. É de fato um museu incrível  um verdadeiro mergulho na história do mundo antigo, com relíquias e tesouros que chegam a datar 5.000 anos.

Mas esta última visita me fez lembrar um fato que me marcou quando estive na Grécia, em Atenas. Fui visitar Acrópoles e seus sítios arqueológicos. Quando estava chegando no Parthenon li no guia que tinha em mãos que grande parte das esculturas de mármores deste lugar se encontravam no BM, outras no Louvre e ainda algumas no Vaticano, e também algumas no Museu de Acrópolis. Ali mesmo no local havia apenas algumas ruinas (o Parthenon agora está sendo restaurado, parece que eles vão recriar como era antigamente). Naquele momento pensei; era melhor ter ido direto pra Londres para ver as raridades da Grécia. (Ok, eu exagerei um pouco, pois estar naquele lugar histórico foi uma experiência incrível).

Os países que foram grandes colonizadores possuem o acervo dos museus nacionais muito ricos justamente por terem aproveitado do seu poder para extrair as riquezas dos colonos. A Inglaterra por exemplo colonizou grande parte da África, quase toda América do Norte, Índia etc. Esse infelizmente é o grande motivo do BM ser um dos museus com o maior acervo do mundo. Alguns países estão pedindo a repatriação destes tesouros. Como é o caso da Grécia, que pede de volta os mármores do Parthenon.

É de fato muito excitante poder ver de tão perto tesouros, relíquias e estátuas da antiguidade, mas agora penso no custo cultural para ter este acesso fácil. É um assunto delicado e muito controverso. Há anos o Conselho Internacional de Museus (Icom) tem manejado estas discussões, porém, este assunto envolve muita politica, e, portanto é muito difícil de se resolver.

De qualquer forma é muito importante conhecermos os dois lados da moeda, abrir nossa cabeça sobre os assuntos mais simples como é o caso dos museus e seus acervos.

Enfim, o museu não deixa de ser um ótimo atrativo cultural. Uma das coisa que gosto de ver nos museus são os jovens artistas que levam seus cadernos de desenho e sentam-se em frente as esculturas para inspirar-se. Um dia, no próprio BM havia um grupo de crianças, um tour escolar, sentados desenhando no meio do museu!

Tirando algumas exposições temporárias o museu é free. Mas você pode fazer sua doação nos diversos locais de recolha.

Como gosto muito da cultura indiana, e esta última visita foi dedicada a esta parte. Posto aqui algumas fotos.

 

Placa Shiva dakshinamurti British Museum

 

 

Shiva Natarája - British Museum

 

Selos de Mohenjo-Daro - British Museum

Anúncios

War Horse – É tão óbvio…mas tão lindo!

Posted in Cinema with tags , , on 13/01/2012 by Renata Junqueira

O começo e o final todo mundo já sabe. Mas e dai!?

O filme é lindo, não pelo roteiro, mas pela emoção que passa.

Sim, eu chorei muito. Nào só pelas atrocidades cometidas com os cavalos durante guerra,  ou pelas mortes desnecessárias de crianças no front, mas principalmente pela emoção de ver o  amor de um menino com o seu cavalo, e vice-versa.

Como não podia deixar de ser, sendo um filme de Spielberg, a trilha sonora é incrível. Ele também deixa sua marca registrada com algumas tiradas de humor bem sarcásticas.

Além das críticas que o filme faz sobre a guerra, também nos mostra uma mensagem linda de coragem e determinação. O War Horse é aquele cavalo que não desiste nunca.

Depois que o filme acabou não conseguia me mexer, estava totalmente envolvida com o filme, como se eu é que tivesse lutado na guerra.

Coração indeciso

Posted in Poesia with tags , on 12/01/2012 by Renata Junqueira

Eu queria sentir algo por ele,
Mas meu coração mandão não deixa.

Eu queria não pensar mais nele,
Mas meu coração carente não deixa!

Melhor só?
Ou melhor com quem não amo?

Melhor amar.

20120112-221318.jpg

Lições de vida: de pai para filho!

Posted in Educação with tags , , on 04/01/2012 by Renata Junqueira

Hoje li um artigo m no Daily Mail realmente emocionante. É claro que parece meio clichê falar estas coisas mas se tratando de uma história real vale a pena ler.

Resumindo o artigo, Paul Flanagan, ao saber que e estava com câncer e tinha poucos meses de vida, resolveu escrever uma carta para seus filhos contandosobre seus valores de vida e deixando alguns conselhos. Após morrer a esposa achou esta carta em seu laptop:

Eu vou colocar a versão original que é em inglês, mas neste link você pode ler em português.

A FATHER’S RULES FOR FINDING FULFILMENT

  •  Be courteous, be punctual, always say please and thank you, and be sure to hold your knife and fork properly. Others take their cue on how to treat you from your manners.
  • Be kind, considerate and compassionate when others are in trouble, even if you have problems of your own. Others will admire your selflessness and will help you in due course.
  • Show moral courage. Do what is right, even if that makes you unpopular. I always thought it important to be able to look at myself in the shaving mirror every morning and not feel guilt or remorse. I depart this world with a pretty clear conscience.
  • Show humility. Stand your ground but pause to reflect on what the other side are saying, and back off when you know you are wrong. Never worry about losing face. That only happens when you are pig-headed.
  • Learn from your mistakes. You will make plenty so use them as a learning tool. If you keep making the same mistake or run into a problem, you’re doing something wrong.
  • Avoid disparaging someone to a third party; it is only you who will look bad. If you have a problem with someone, tell them face to face.
  • Hold fire! If someone crosses you, don’t react immediately. Once you say something it can never be taken back, and most people deserve a second chance.
  • Have fun. If this involves taking risks, so be it. If you get caught, hold your hands up.
  • Give to charity and help those who are less fortunate than yourselves: it’s easy and so rewarding.
  • Always look on the upside! The glass is half full, never half empty. Every adversity has a silver lining if you seek it out.
  • Make it your instinct always to say ‘yes’. Look for reasons to do something, not reasons to say no. Your friends will cherish you for that.
  • Be canny: you will get more of what you want if you can give someone more of what they desire. Compromise can be king.
  • Always accept a party invitation. You may not want to go, but they want you there. Show them courtesy and respect.
  • Never ever let a friend down. I would bury bodies for my friends, if they asked me to . . . which is why I have chosen them carefully.
  • Always tip for good service. It shows respect. But never reward poor service. Poor service is insulting.
  • Always treat those you meet as your social equal, whether they are above or below your station in life. For those above you, show due deference, but don’t be a sycophant.
  • Always respect age, as age equals wisdom.
  • Be prepared to put the interests of your sibling first.
  • Be proud of who you are and where you come from, but open your mind to other cultures and languages. When you begin to travel (as I hope you will), you’ll learn that your place in the world is both vital and insignificant. Don’t get too big for your breeches.
  • Be ambitious, but not nakedly so. Be prepared to back your assertions with craftsmanship and hard work.
  • Live every day to its full: do something that makes you smile or laugh, and avoid procrastination.
  • Give of your best at school. Some teachers forget that pupils need incentives. So if your teacher doesn’t give you one, devise your own.
  • Always pay the most you can afford. Never skimp on hotels, clothing, shoes, make-up or jewellery. But always look for a deal. You get what you pay for.
  • Never give up! My two little soldiers have no dad, but you are brave, big-hearted, fit and strong. You are also loved by an immensely kind and supportive team of family and friends. You make your own good fortune, my children, so battle on.
  • Never feel sorry for yourself, or at least don’t do it for long. Crying doesn’t make things better.
  • Look after your body and it will look after you.
  • Learn a language, or at least try. Never engage a person abroad in conversation without first greeting them in their own language; by all means ask if they speak English!
  • And finally, cherish your mother, and take very good care of her.

I love you both with all my heart.
Daddy x

Se quiser ler o artigo completo entre no site Daily Mail